"E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti." (Friedrich Nietzsche)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Perguntas Sem Respostas

"Aonde foi que me perdi e nao percebi,

deixando minha lucidez em qualquer esquina,

abandonando de vez a minha sanidade por um amor em vão?


Sem aproveitar os momentos preciosos,

as conversas empolgantes e tardes ensolaradas?


Como fui me privar da liberdade que sonhei e busquei,

da paz e da tranquilidade de não amar ninguém?


Porque continuo a brincar com fogo, se meu corpo inteiro arde

pelas chamas malditas que eu mesma atiei sobre mim?


Como fui entrar nesse labirinto de ilusões, se ninguém segurará minhas

pequenas mãos para me guiar, e se nem ao menos alguém me espera no fim?


Porque eu, dona de palavras conexas e críticas, me deixo abater tão facilmente

e deixo domar minha natureza tão selvagem por um simples frêmito de amor?


Como fui me perder e chegar num ponto onde já não sei mas quem sou

e o que posso ser no segundo seguinte?


Como pude acreditar num sentimento tão traidor e me deixar enfeitiçar

e ser desfalcada por um amor passageiro?

Porque cismo em sonhar com uma estrela solitária e distante se o sol brilha todas as manhãs?

E me digam, porque só agora recobro meu juízo e me sinto libertar dessas correntes pesadas,

se elas nem ao menos existem?"

H. Rodrigues