"E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti." (Friedrich Nietzsche)

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O Deserto Que Me Abriga

Não pertenço a nenhum lugar
O meu destino não cabe na minha mão
Eu nem sei qual caminho tomar
Eu só coloco meus passos no chão

Meus cigarros são como areias nos dedos
Acabam sem antes eu perceber
Eu ando na noite, sem medos.
Eu nem tenho o que perder

Eu não procuro uma saída
Eu nem anseio pela chegada
É que sou meio distraída
Confundida com drogada

No espelho o que reflete são desejos
Não me vejo como sou
Espero facadas ao invés de beijos
Prefiro o ódio ao amor

Não sou pessimista, eu vejo o mundo.
Não espero carinho de quem me apedreja
Não sou como todos que querem tudo
Eu só quer cigarros e a minha cerveja

Todos dormem e estou aqui
Lutando pelos meus demônios
Talvez eu já esteja a dormir
E isso não se passa de um sonho

Nenhum comentário:

Postar um comentário