"E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti." (Friedrich Nietzsche)

sábado, 6 de outubro de 2012

"Sou a sombra de todos os amores. De todos os cheiros que ficaram no meu corpo. Ou não. A noite vem mais uma vez. E dessa vez gotas de chuva caem timidamente. Disfarçando as lágrimas teimosas. Eu chamo nomes que já não existem mais. Eu vejo olhos que já se foram. E continuo caminhando sem olhar para trás. Mas esses pensamentos tolos vem me torturar. Me desfaço da solidão, mas ela me persegue. Então vejo estrelas em olhos falsos. E eu finjo a redenção para apunhalar... Porque sou feita de dores e desilusões. Eu sou a terra que anseia pelo corpo morto. Mas não tenhamos pressa..."

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Medos & Caminhos

Eu corro do meu medo Me escondo entre falsos sorrisos Esqueço do peso Que o disfarce traz com isso Luto pelo infinito Corro atras de estrelas Queria um mundo bonito Onde nao houvesse tristezas Clamo pelo amor alheio Mas me desfaço de tudo que prende Sigo o caminho mais feio Fujo para outro continente Quero receber amor Quero me libertar Mas como fugir da dor, Que este pode me causar? Por isso sigo adiante O meu caminho ao sol Sou um navio errante Sem rumo e sem farol Eu vivo a vida, simples assim Sem ter medo ou piedade Não peço que corram atras de mim Eu já me acostumei com a saudade...

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Raphael, vulgo Power Ranger Azul!

"Sinto saudade daquele tempo
Em que as ruas eram cheias de crianças
Kinder Ovo, bolinnho de chuva, passatempo
Tudo isso me traz maravilhosas lembranças

Um graveto no chão: és um lord!
Em volta um cenário imaginário
Juntos montamos o incrível Megazord
Ou viramos os jogos do Super Mário

Naquela época R$1,00 era muito
Fazíamos festas com doces e imaginação
Não precisávamos ter tudo
Pois tínhamos um ao outro como irmão

O tempo correu muito depressa
Ou eu sou mesmo muito nostálgica!
Agora, adultos, vivemos na pressa
Mas não se esquecemos daquela era fantástica!

Fugimos do mundo real escrevendo,
Ouvindo boas músicas e sorrindo.
Mas eu confesso que continuo vivendo
aquela infância onde tudo foi lindo!

Você é meu primo, meu irmão de coração
Uma pessoa que nunca me decepcionou
Espero que essa poesia te traga a mesma emoção,
Que ao escrevê-la ela me proporcionou!"

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Lamúrias de Maio

A dor parece me sufocar,
Pois o ar agora é mais pesado que o metal.
Eu sinto a alegria me deixar
E espero que chegue logo o final.

Eu corro como louca e fujo com pressa,
Para não olhar seus olhos hipnotizantes.
Digo seu nome repetidamente como uma reza.
Choro dolorosamente pelos últimos instantes.

Eu te amei, cada centímetro seu.
Não pense que eu hesitei...
Eu só não prendo o que não é meu
Num sonho que até eu mesma não acreditei.

Eu sinto uma dor forte.
Sinto o peso desse triste fim.
Juro que eu preferiria a morte,
Do que saber que você que escolheu assim.

Trocando um amor sincero por um desejo.
Preferindo me fazer sangrar do que sorrir.
Existe dor por tudo o que eu vejo,
Tentando arduamente viver sem ti.

Eu não vou procurar entender
E nem esperar você voltar..
Eu choro hoje por eu escolher você
E por você ter escolhido me fazer chorar!

domingo, 22 de janeiro de 2012

Gritos e Vodka

Se eu pudesse não estaria aqui
Se eu pudesse eu te esmagaria
Te provaria quem está ali
Há um segundo da alegria

Arrancaria todos os suas veias e seus nervos
Te explodiria e aí você sumiria
Faria contigo tudo o que nas coisas que escrevo
No sague você desmancharia

Seus cabelo loiros já pegando fogo
Com ele acenderia meu cigarro
Tomando meu conhaque, te dou mais um soco
Pra acabar com a gritaria e meu pigarro

Você olhando para o cristo na parede
“Meu bem ele está crucificado”
Está pregado e morto assim como esse olho verde
Que por um dia ele esteve apaixonado

Agora com a calmaria chegando
Que sem graça essa cena de tortura!
Você só fica aí no grito e esperneando
Ai, acho que chegou a hora mais dura

Te coloco na banheira de vodka gelada
Seus gritos me alucinam, você mereceu
Eu bebo um pouco de você e queimo a casa
Isso só foi pra ensinar a não mexer no que é meu...

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Epílogos e Finais





"Vidas sem destinos
Entradas e saídas
Jogos perdidos
Verdades traídas

Aonde se escondeu o amor?
Para que tanto descaso?
Por que se render a dor,
Se do nada eu me refaço?

Eu posso perder no final
Eu posso ganhar também
Você poderá estar aqui afinal
Ou poderá ser outro alguém

Mentiras e verdades
Veladas e escondidas
Não diga que são vaidades
Ou que já foram vencidas

A desordem por completo
Eu vou arrumando agora
Espero estar no caminho certo
Ou eu então irei embora

Não me leve a mal
Eu ainda tenho um coração
Só acho que é fatal
Brincar em plena escuridão"